12/5/2016 15:43:17 -  A relação entre o Zika vírus e a Microcefalia

Estudo comprova pela primeira vez a relação entre o vírus e o aumento dos casos de microcefalia no país

Segundo estimativa divulgada no último dia 28 pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas, entre três e quatro milhões de pessoas devem contrair o Zika vírus, conhecido no mundo científico pela sigla ZIKV, em 2016 no continente americano. Desses, 1,5 milhão de casos devem ser registrados no Brasil, onde as autoridades de saúde já investigam a relação do Zika com o aumento da ocorrência de microcefalia, anomalia que implica na redução da circunferência craniana do bebê, entre outras complicações.

Apesar de sua primeira aparição registrada em seres humanos ter sido em 1954, na Nigéria, e de alguns casos registrados entre os anos de 2007 e 2013 na Oceania e na França, respectivamente, no Brasil, a doença teve início no ano passado e desde então causado pânico em toda a população, principalmente entre as mulheres, já que a contaminação no período de gravidez pode causar a microcefalia.

Até o momento, o Ministério da Saúde confirma 270 casos de bebês que nasceram com microcefalia por infecções congênitas, que podem ou não terem sido causadas por algum agente infeccioso como o vírus Zika, e 49 mortes. Outros 3.448 casos suspeitos de microcefalia no país permanecem sob investigação.

O aumento da rara condição neurológica associada à infecção pelo ZIKV motivou uma pesquisa realizada pelo Instituto Carlos Chagas, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Paraná em conjunto com a PUC-PR. O estudo confirmou pela primeira vez a capacidade do vírus de atravessar a placenta durante a gestação, fato que foi constatado pela patologista pediátrica associada da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) e professora de Medicina da PUC-PR, Lúcia de Noronha.

“Essa pesquisa teve início quando a Fiocruz começou a receber amostras de abortos causados pela infecção do ZIKV e eu fui convidada para fazer a análise anatomopatológica das amostras na tentativa de identificar o vírus”, conta.

Lúcia explica que foi possível identificar a presença de placentite, um tipo de inflamação na placenta, em uma das amostras estudadas. “A análise feita a partir da amostra de uma paciente que sofreu aborto no Nordeste, mostra claramente que o vírus rompeu a barreira da placenta”, explica a patologista, confirmando a suspeita inicial.

Ela conta que o estudo representa um grande passo no combate à epidemia, já que mostra a potência do vírus. “É só conhecendo o vírus que poderemos combatê-lo. Com o estudo descobrimos que o ZIKV é capaz de afetar os bebês através da placenta, isto é, estamos compreendendo a fisiopatologia da doença, mas ainda temos muito o que aprender sobre esse vírus”, ressalta.

A investigação dos mecanismos de infecção do ZIKV continua agora com uma pesquisa nos fetos que foram abortados por conta da transmissão. A vacina contra a doença está em fase experimental e só deve ficar pronta em três a cinco anos. Por isso, a população precisa tomar providências contra o agente causador da doença. Eliminar focos de água parada, evitar viagens para os lugares com maior incidência do mosquito (Pernambuco, Paraíba e Bahia), usar repelente e roupas que cubram melhor o corpo, são alguns dos cuidados essenciais contra a propagação do mosquito e consequentemente, da microcefalia.

Sobre a SBP

Fundada em 1954, a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) atua na defesa da atuação profissional dos patologistas, oferecendo oportunidades de atualização e encontros para o desenvolvimento da especialidade. Desde sua instituição, a SBP tem realizado cursos, congressos e eventos com o objetivo de elevar o nível de qualificação desses profissionais. 


Fonte: Lúcia de Noronha - Professora de Medicina da PUC-PR



Sociedade Brasileira de Patologia
Rua Topázio, 980 - Vila Mariana
São Paulo – SP
CEP: 04105-060
Fone: (11) 5080-5298